Alex Twin, uma das personalidades mais influentes do cenário gótico concede uma entrevista ao Palco Local

0
793
Alex Twin
Alex Twin (Foto: Divulgação)

Alex Twin é conhecido e respeitado no cenário alternativo tanto no Brasil quanto no exterior, mantém o selo Wave Records e integra o duo Wintry ao lado de Anne Goldacker.

Em meio ao seu atribulado cotidiano, Alex reservou um tempo para conversar conosco e mostrar seu trabalho. Acompanhe a entrevista na íntegra:

Palco Local – Você é, reconhecidamente, um dos nomes mais importantes no cenário gótico nacional e muito conhecido no exterior. Poderia nos contar um pouco da sua trajetória e de onde nasceu o gosto por este estilo?

Alex Twin – São 26 anos dedicados a este trabalho, vivendo música o tempo todo. Comecei como colecionador e pesquisador de música nos anos 80, em 87 comecei a discotecar e no mesmo ano montei o Individual Industry (minha primeira banda)
O gosto pelo estilo alternativo, surgiu lá por 1984, ouvindo The Cure, Devo, Siouxsie, Classix Nouveaux, etc…

Palco Local – Poderia nos falar um pouco da Wave Records? Qual sua motivação para criar o selo?

Alex Twin – Wave Records começou antes como Wave Propaganda. Em 2002 resolvi lançar um box do Individual Industry, então montei o nome Wave Propaganda para fazê-lo.
A ideia era eu mesmo lançar meus projetos musicais (Individual Industry, 3 Cold Men, Wintry, Pecadores), após ter experiencias ruins com selos da Europa.

Em 2006, surge a Wave Records como selo para lançar e distribuir minha música e automaticamente, muitas bandas começaram a enviar demos e a coisa foi crescendo e virando algo não só dos meus projetos. Hoje temos mais de 80 lançamentos em 10 anos de Wave Records.

Palco Local – Certamente todos os trabalhos lançados pelo selo têm sua importância, mas existe algum trabalho lançado pela Wave que você considere especial?

Alex Twin – Cada lançamento tem sua história e importância, é como um filho a cada lançamento. Nestes 10 anos, temos um em especial, THIS MAKES ME, que foi lançado em 2016, trazendo colaborações de mais de 22 artistas de todo o mundo, para ajudar um instituto do Câncer de SP. 50% dos lucros foram par ao instituto, e este cd foi algo bem legal de elaborar e ver nascer.

Palco Local – Além do seu trabalho com a Wave também atua como DJ e integra o duo Wintry. E como DJ tocou na festa de abertura de um dos maiores, se não o maior, festival gótico do mundo, o Wave Gotik Treffen na Alemanha. Como é a sensação de tocar em um festival desse porte e importância?

Alex Twin – Como dj iniciei em 1987, passando como residente de algumas casas, Treibhaus em 1990, Gotham 2001, mas no geral não tenho tocado muito ultimamente, por falta de tempo.

Acho que até 2006 ainda tocava bastante, toquei no Slimelight (Londres), The Cave of Satyr (Amsterdam), Darkflower (Leipzig/ Alemanha), Zillo Party (Dortmund / Alemanha), além de festas em Gent e Antuérpia (Bélgica), Return the Living dead (Hamburgo / Alemanha) e no Wave Gotik Treffen toquei em 2004, 2006, 2015, 2016 e 2017.

Palco Local – Como você vê atualmente o cenário e a produção artística nacional voltada para o estilo? Existe espaço e condições para crescer e se tornar conhecido?

Alex Twin – O cenário aqui é quase inexistente, se comparado a Alemanha, que é realmente um cenário, com muita gente envolvido e vivendo da cena, como revistas, casas noturnas, lojas, gravadoras, promotores de eventos, etc…

Aqui no Brasil, é apenas um rascunho do que poderia ser, mas falta profissionalismo, união de quem participa e gosta do estilo, dedicação de mais pessoas querendo que se torne uma cena realmente. No Geral, aqui existem pessoas que curtem os estilos alternativos,
porém é muito difícil crescer, pois diferente da Europa, este tipo de música está enraizada com as pessoas, influências de música clássica, rock, etc e aqui a grande maioria ouve samba, funk e pagode.

As bandas por aqui acabam sendo conhecidas mais pelo boca a boca, pois não temos mídia especializada, então este boca a boca pode funcionar, mas nada que tenha longo alcance.
Faltam espaços para shows ao vivo, e as bandas não tem local para divulgar, isso é primordial la fora e por isso funciona bem na divulgação.

A banda até consegue um espaço, mas para um publico muito segmentado, infelizmente.

Palco Local – Quais bandas novas do cenário nacional você considera que estão fazendo um bom trabalho e que tem condições de se destacar?

Alex Twin – Devemos ter muitas bandas no Brasil, mas não tenho acesso a quase nenhuma, pois não sei o porque, recebo mais demos de fora do Brasil do que bandas brasileiras.

Claro que muita gente hoje faz sua música em casa e as vezes não divulga ou por não ter tempo e ser como um hobby, então temos poucas bandas que estão realmente saindo da toca. Últimas 2 bandas que recebi demo, 1 eu lancei LES CHATS NOIRS e a outra tenho interesse: JENNI SEX.

Palco Local – Na sua opinião, o que é necessário para que uma banda consiga atingir o reconhecimento no cenário nacional e, quem sabe, internacional?

Alex Twin – Basicamente, para atingir reconhecimento no Brasil, você teria que fazer muitos shows, caso do PLASTIQUE NOIR, que a meu ver é uma das mais reconhecidas em se tratando de todo o Brasil, não apenas em uma região. Internacionalmente, para bandas nacionais é bem difícil, pois o público Europeu quer o que está surgindo no momento, e é um ciclo rápido, já aqui as pessoas curtem muito mais as coisas antigas do que as novas, justamente por falta de mídia e outros graves problemas por aqui, como djs tocando sempre as mesmas bandas e músicas do passado e não querendo inovar e tocar o que está surgindo.

A banda nacional aqui, teria que dedicar um tempo para divulgar em redes sociais la fora, e tentar tocar por lá, ao menso 1 vez por ano, o que financeiramente não é fácil, já que por lá eles nunca pagam as passagens.

Realmente não é nada fácil entrar no seleto grupo de bandas reconhecidas, por vários motivos, que em minha opinião, não se trata de qualidade da banda, mas estes outros fatores que deixam as bandas longe deste grupo.

Acesse os links e conheça a Wave Records

www.facebook.com/waverecords
www.waverecordsmusic.com

DEIXE UMA RESPOSTA