Rock and roll

Banda Rock Brasil
Paraná
Banda Curitibana de rock com 5 malucos insistindo na música autoral.

Banda Rock Brasil

Fundada em Curitiba – Pr por Gilmar Padilha, a Banda Rock Brasil trás canções próprias que buscam manter a sonoridade rock sem rótulos, com influências diversas que vão desde o blues e o classic rock dos anos 70 ao rock alternativo contemporâneo e sempre buscando participações em festivais, concursos, programas de TV, shows, contatos com gravadoras, etc,.
A Rock Brasil é atualmente formada por:
Gilmar Padilha – guitarra e backing
Bruno Rocco – vocal
Cleber Netti – bateria e backing
Sid Chila – baixo
Cesar Vinícius – guitarra solo

*Facebook:
https://www.facebook.com/rockbrasilcwb
https://www.facebook.com/clebernetti
https://www.facebook.com/GilmarPadilhabanda

*Instagram:
https://www.instagram.com/bandarockbrasil

*Ouça:
https://soundcloud.com/bandarockbrasil

https://www.letras.mus.br/banda-rock-brasil

https://www.vagalume.com.br/banda-rock-brasil

https://www.palcomp3.com/bandarockbr

*Assista:
https://goo.gl/S06yuz

facebook
(41) 9 9844-5282 / (41) 9 9992-7393
Beijo de Puta
Santa Catarina
, ,
Banda de hip/rock de Joinville na ativa há mais de uma década. Um cd editado pela Abrigo Nuclear Records chamado cidades fascistas.

Composta por Edineis Alves e Emerson Santi o Beijo de puta surgiu na zona leste de Joinville. Utilizamos guitarra, violão, viola caipira, baixo e bateria. Somos influenciados por grupos como Câmbio negro, Ndee Naldinho, Racionais, Facção Central, Morrissey, Tião Carreiro, entre outros.

047 30275122
Joinville
2003
Atualmente
Cândido
Rio de Janeiro
Banda de Rock de Jacarepaguá, Rio de Janeiro-RJ.

É preciso cultivar nosso jardim. Diz o personagem de Voltaire, em seu sarcástico conto filosófico sobre o otimismo.
Em 2010 do sonho de dois jovens irmãos é fundada a banda Cândido, que tem seguido a caminhada assim como o personagem do ensaio do filosofo, que foi inspiração para o nome, acreditam que tudo é possível quando estão cultivando suas vontades e verdades.
Juntos Pietro Santos (Vocal), Thomas Ferreira(Guitarra), Hector Ribeiro (Baixo) e Raphael Tiago (Bateria), estão trilhando o caminho no cenário independente do Rock no Rio de janeiro, já tendo tocado nas mais diversas e renomadas casas da cidade, além de shows em Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul.
Em 2015 é lançado o EP “Ela”, o vídeo clipe da música “Depois do Cinema” – hoje exibido no Canal Woohoo, PlayTV e Music Box Brazil, escolhidos para participar do Converse Rubber Tracks Wordwide – onde gravam a canção “Águas de Marte” no emblemático estúdio Toca do Bandido e lançada na Rádio Cidade.
Em 2016 é a vez do antológico palco do Imperator no Rio Novo Rock, lançamento do single “Prato Velho”, abertura para a banda Selvagens a procura de lei, Turnê “Deu Vontade” que foi do Rio de janeiro ao Rio Grande do Sul e o lançamento da parceria com a banda Marvins de São Paulo no Converse Rubber Track Brasil, gravado no conceituado Family Mob Studio o single “Abstinência”.
Em Outubro de 2016 com vista a novas necessidades um quinto elemento foi convidado a fazer parte dessa historia, Guilherme Benaion que veio a somar com sua guitarra, o quinto elemento dessa jornada.
Com as canções distribuídas nas plataformas streaming a Cândido vem trilhando o caminho para levar seu trabalho ao maior numero de pessoas, sempre com atitude e a energia do bom e velho ROCK.

(21)98930-6100
2010
Atualmente
Caosbanal
Rio de Janeiro
,
Banda carioca de Rock, formada e atuante no cenário musical desde 2004, levando suas mensagens e visão do mundo através de suas composições.
A Caosbanal é formada por Luciano Bernardino no vocal, Igor Gabriel e Rodrigo Teixeira nas guitarras, Raphael Marinho no baixo e Jonathan Cyrne na bateria, estes com suas personalidades e influências musicais, tornando a originalidade da banda.

Banda carioca formada em 2004 por adolescentes interessados em buscar na música seus destinos e levar em suas letras situações e sentimentos de vida. Espelhados em bandas da época, como: Charlie Brown, Detonautas, Foo Fighters, entre outras, a Caosbanal iniciou seu trajeto.

A convivência e o bom ambiente vivido entre seus integrantes gerou uma grande amizade. Momentos de felicidade, loucuras, incertezas, angustia e êxtase que aconteciam a cada reunião, ensaio e show. A Caosbanal teve seu primeiro grande prêmio, quando foi vencedora do festival de bandas na Lona Cultural de Guadalupe. A partir desse momento todos tiverem a certeza que estavam no caminho certo. Começaram as gravações e as experiências em um estúdio profissional.

As oportunidades começaram a aparecer e a cada show eletrizante foram deixando suas marcas e conhecendo grandes artistas. Passaram por diversas casas e tocaram com Luxúria, Seu Cuca, Swell, Stellabella, Consciência Tranquila, entre outras.

Após toda euforia, dificuldades foram aparecendo e com o cenário do rock ficando escasso, não demorou para a Caosbanal ter seu desmoronamento. Ganhando responsabilidades em suas vidas pessoais, o projeto e os sonhos tiveram que ser guardados e o sentimento de tristeza apareceu pela primeira vez.

Em Junho de 2014, a vontade e os sonhos ressurgem. Raphael Marinho e Rodrigo Teixeira, os únicos remanescentes de toda essa loucura, resolvem voltar e dar continuidade ao projeto esquecido.

21992711551
Rio de Janeiro
2004
Atualmente
GRETCHEN CADILLAC
Paraná
,
Banda lança o Pinball Rock (pegada hard com toque de disco do final dos 70’s) com HQ, numa história surreal…

Gretchen Cadillac surgiu no segundo semestre de 2015 quando os músicos que tocavam juntos há mais de 20 anos em projetos autorais, ou covers e resolveram se reunir para um novo trabalho. Mano Seixas explica a origem do nome que leva a banda. “Foi inspirado em duas mulheres, ícones dos programas de auditório que fantasiavam os pensamentos masculinos nos anos de 1980”, esclarece o vocalista.

“Fliperama Mundo Cão”: é uma ópera rock multimídia contada em música e quadrinhos com a participação de 14 quadrinistas. O enredo conta a história do Antiherói Roque, que é engolido por uma sinistra máquina de pinball no final dos anos 70, e tem estreia prevista para o final do primeiro semestre.

Curitiba
2015
Atualmente
Índigos
São Paulo
A índigos c o n s e g u e c a r r e g a r c o n s i g o o s m e s m o s

i d e a i s que e r a m m u i t o c o m u n s n o r o c k n a c i o n a l d o s

a n o s 8 0 . S e v o c ê j á b u s c o u i n c a n s a v e l m e n t e u m a b a n d a

a t u a l e n o s m o l d e s d e c o n j u n t o s c o m o T i t ã s , C a m i s a d e

V ê n u s e P l e b e R u d e , e s s e é o m o m e n t o c e r t o p a r a v o c ê

e n t r a r e m c o n t a t o c o m o t r a b a l h o d a Í n d i g o s

Em meio a um contexto social repleto de paradigmas, a Indigos procura

incentivar a auto-reflexão do indivíduo por meio de suas letras e da força

do rock. Guitarras com riffs intensos e vocais marcantes definem a

sonoridade da banda.

A banda iniciou seus trabalhos autorais em 2013 e atualmente conta com

a formação dos músicos Marcelo Almeida (Baixo/Voz), Beto Gebhard

(Guitarra/Voz), Rafael Dantas (Guitarra/Voz) e Beto Whyte (Bateria/Voz).

+5511.966261210
Sao Paulo
2014
Atualmente
LAMBA-TE!
Paraná
Três sobreviventes dos holocaustos das circunstâncias que sempre tiveram um motivo que os unia, o melhor do seu rock ‘n roll!

A ideia da banda veio em meados de 2012 com os irmãos Derick e Rodrigo, encontrando no caminho o Magnuss que seria o terceiro componente, entre experimentos e várias produções de baixo custo, a banda acabou surgindo como banda e trabalho sério em 2015 com o inicio do projeto “Só o que sobrou”, seu primeiro trabalho independente de selo que deu inicio a nova fase aonde os membros fundadores assumem a responsabilidade em um grande esquema power trio.

Conheça nossa banda:
Se inscreva no nosso canal YOUTUBE
https://www.youtube.com/channel/UCBewILemnkYmT7jzQAXhB_w
Siga-nos no Google+
https://plus.google.com/117935827548006780056
Curta a banda no Soundcloud e conheça nossos sons.
https://soundcloud.com/lamba-teband
Também nos acompanhe no BANDCAMP
https://lamba-te.bandcamp.com/

41 99529 0631
, , , , ,
Curitiba
2015
Atualmente
Lobos de Calla
Minas Gerais
,
Banda de rock autoral de Belo Horizonte, formada por Diego Mancini (bateria), Bernardo Silvino (baixo) e Eduardo Ladeira (vocal e guitarra), com três discos na bagagem.

“Às Vezes Eles Voltam”: o retorno da Lobos de Calla ao cenário independente no Brasil
Após três anos de inatividade, os mineiros estão de volta em nova fase e com disco inédito

A cena independente brasileira é movimentada com artistas que transformam a música nacional em um reduto do talento. Não obstante, a cidade de Belo Horizonte (MG) apresenta mais um grupo para acender a chama do rock na capital mineira. Depois de um hiato de três anos, a Lobos de Calla está de volta ao cenário, lançando o disco inédito “Às Vezes Eles Voltam” – já disponível nas principais plataformas digitais de música.

Composta por Eduardo Ladeira (guitarra e vocais), Bernardo Silvino (baixo) e Diego Mancini (bateria), a Lobos de Calla mostra um rock de várias vertentes, sem rótulo específico. A sonoridade é marcada pela diversidade, somando as variadas influências de cada integrante. A banda trilha o seu caminho em busca de apresentar um som único, com o objetivo de trazer de volta os tempos áureos do rock nacional.

Formado em 2010, o power trio lançou no mesmo ano o primeiro disco “Querozene”, para em seguida divulgar o segundo álbum “Cores e Nuvens” (2011). O resultado foi uma sequência de shows importantes, dividindo o palco com nomes como Lulu Santos, Capital Inicial, Tianastácia, Nasi e Uns e Outros; além da indicação da canção “Trilhar” para o Prêmio de Música Minas Gerais. No ano de 2013, a banda pausou as atividades para futuros projetos dos componentes, no entanto a saudade foi mais forte. Para o vocalista Eduardo Ladeira, isso se deve à ideia de que, independente de uma grande exposição repentina, a arte pode ser descoberta pelo público com o tempo.

“Durante o período de hiato, percebemos pessoas descobrindo a banda por meio da internet, e isso nos levou a querer fazer algo a mais. Acreditávamos ser necessário um trabalho definitivo, bem escrito, bem arranjado, bem produzido. Precisávamos deixar como legado da banda um disco profissional, que contivesse todo o potencial. Independente dos trabalhos musicais paralelos, a Lobos de Calla precisava dar o seu recado definitivo”, revela ele.

O resultado é o novo álbum “Às Vezes Eles Voltam”. Eclético, o disco viaja nas raízes da banda e mescla as influências musicais dos integrantes. É notória as referências a estilos e movimentos musicais diversos, como o rock nacional dos anos 90, o rock britânico dos anos 60, o punk rock e até mesmo elementos do rock progressivo. Segundo o baixista Bernardo Silvino, o momento que passaram distantes serviu para aprimorar ainda mais o som:

“Foi um período de amadurecimento muito grande. Voltamos com uma outra mentalidade para encarar a coisa. Dar o nosso melhor para a música e todos os outros elementos que são necessários para o projeto…”, diz o músico.

Da mesma forma, a entrada do multi-instrumentista Diego Mancini no conjunto exibe entusiasmo. O músico traz empolgação e otimismo na nova fase do trio mineiro. “O disco novo tem muito da pegada do anterior, mas ter uma pessoa diferente na banda levou o trabalho numa outra direção”, reflete o baterista.

O título do registro – assim como o da banda – é inspirado em uma obra do autor norte-americano Stephen King. O álbum e sua arte gráfica trazem uma pegada de humor e adota a linha de horror zine. Fãs do gênero, os músicos utilizam o parâmetro com o terror para ficar ainda mais envolvidos com o trabalho como um todo. A ideia é explorar o horror esdrúxulo dos anos 80, algo que é feito mais para divertir do que para assustar, por isso, o conceito de zumbis como caricaturas da banda.

Toda a elaboração da capa e o cuidado na produção das faixas demonstra que o grupo tem a percepção de que o mercado musical é cíclico, ou seja, que os gêneros vão anexando influências e se misturando; acompanhando as mudanças do mundo e descobrindo novas fronteiras e desafios – mesmo ainda existindo a essência.

“Por isso, o rock perdura ao longo de décadas, sobrevivendo às mais diversas revoluções culturais. A música deve ir além do entretenimento; música é cultura, e cultura é, ou deveria ser, educação. Trazer arte ao dia a dia do povo é ajudar no enriquecimento e desenvolvimento do país. O rock, gênero musical que representa o questionamento, a insatisfação com o status quo imposto, a união em prol dos interesses sociais, a paz, a valorização do ser humano e a propagação do amor entre as pessoas são essenciais nesse cenário”, articula Eduardo.

A dedicação e a nova fase da banda expõe a vontade dos integrantes para voos mais altos. Com o lançamento de “Às Vezes Eles Voltam”, o grupo já estuda uma possível turnê nas principais cidades do Brasil, levando o trabalho para o maior número de pessoas possíveis e subindo em diversos palcos do país. O lema é trabalhar e se divertir no processo, viver o momento e toda a plenitude, com amizade e música, recheada de pequenos e grandes momentos que façam todo o esforço valer a pena.

(31) 998403277
Belo Horizonte
2010
Atualmente
Nave blues
Santa Catarina
, ,
A banda Naveblues atualmente aterrisada em Joinville SC construída em meados de 2016. Une o rock, jazz e blues através de músicas autorais com muita psicodelia e feeling. Desejamos a todos uma boa viagem.

A banda Naveblues atualmente aterrisada em Joinville SC construída em meados de 2016. Une o rock, jazz e blues através de músicas autorais com muita psicodelia e feeling. Desejamos a todos uma boa viagem.
Formação :
Vic no vocal
Fábio Cabelo na guitarra
Francis Couto no teclado
Wagner Correa no baixo
Felipe Muller na bateria.

47 984450949
Joinville
2016
Atualmente
ORGANOCLORADOS
Bahia
Um som híbrido, considerando as múltiplas vibrações sonoras que nos envolvem: barulhentos aviões pulverizadores, insanas metralhadoras, tambores do Caribe, silêncio breve de violetas, etc.
A Organoclorados se insere em justaposição de niilismo e rebeldia. Dá preferência a letras conceituais, evitando a superficialidade dos otimistas ou a decadência dos pessimistas. Uma proposta franca de não alinhamento.
Um som que poderia ser sentido num dia de chuva – chuva artificial, produzida num atomizador carregado de fensulfation clorado.

As primeiras músicas foram compostas em 1985, a partir da parceria entre dois amigos da Escola de Agronomia da UFBA (Cruz das Almas-BA), o que originou o nome da banda, referência a um tipo de agrotóxicos. Depois de algumas formações experimentais entre 1986 e 1989 (shows em Cruz das Almas, Esplanada, Aporá e Alagoinhas), o ponto de equilíbrio veio em 1990, com André G (contrabaixo), Artur W (guitarra, voz), Joir (bateria) e Roger (guitarra). Os ensaios ficaram cada vez mais consistentes e as apresentações em Alagoinhas e cidades da região tornaram-se mais frequentes, variando entre bares, casas noturnas, clubes, praças públicas, festivais e encontros de bandas.
Em 2001, a banda produziu o CD Princípio Ativo de forma independente, com treze faixas de própria autoria, composição e arranjo, que permitiu o acesso ao circuito de bares, casas noturnas, encontros de bandas e eventos em teatros e universidades de Salvador. A lista é bastante extensa. Em 2005, a banda produziu também por conta própria um show que foi realizado no Centro de Cultura de Alagoinhas e gravado em DVD, sendo lançado no início de 2006.
A Organoclorados produz um som denso e enérgico, sem deixar de ser melodioso, com arranjos que procuram fugir do lugar comum, combinando cadências dançantes com temas fortes das letras. O principal referencial é o rock pós-punk, flertando com o gótico e o psicodelismo, além de referências no blues e rhythm’blues. Nas letras, uma forma singular de expressar pensamentos, opiniões e sentimentos, que utiliza termos e paradigmas científicos para tratar de assuntos do cotidiano, relacionamentos e questões existenciais, sociais e ambientais.
Em 2006, acontecimentos trágicos na família de dois de seus integrantes interromperam as aparições em público, e a banda entrou em retiro espiritual, digerindo dor e sofrimento. Em 2012, retornaram aos ensaios e logo reapareceram na cena rocker de Alagoinhas, com destaque para os tributos a Legião Urbana (2013), Raul Seixas (2014) e The Doors (2015) e o Arena Ativa (2014). Em 2015, a banda começou a preparar músicas para novas gravações em estúdio. Em outras cidades, apresentações memoráveis no Villa’s Rock Fest (Lauro de Freitas-BA, 2015), na Coletânea Rock Recife-PE (2016), no II Rock Metal Fest, em Esplanada-BA (2016) e no “Quanto Vale o Show” no Dubliners Irish Pub (2016). A Organoclorados fez parte da grade de bandas do Soterorock 2016, evento inédito em Salvador-BA, com bandas autorais de destaque do rock baiano. Em dezembro de 2016, foi lançado o EP Organoclorados com faixas remasterizadas e uma inédita. Em 2017, destacam-se até agora as apresentações no It’s Not Pub em Catu-BA, nas edições do Sunday Rock em Alagoinhas e Catu-BA, no Let’s Go Pub em Alagoinhas-BA e os shows no Buk Porão: Festival InRock e 5ª edição do Poesia, Rock e Esmeril (junho). Enquanto finaliza as gravações para um novo CD em estúdio, a banda lançou simultaneamente seu primeiro single de 2017 em plataformas de distribuição digital, acompanhado de um clipe que também já circula na internet. Em julho, a Organoclorados estará presente no II Festival de Rock de Alagoinhas (FERA).

, ,
Alagoinhas
1987
Atualmente