Do jeito de Elvis Presley, Frank Sinatra, Paul Anka, Claude François(?) e outros…

0
762

My way, uma das canções populares mais gravadas em toda a história da música e imortalizada na poderosa voz de Frank Sinatra, é também (pra quem gosta) uma  das mais belas já compostas. Com uma letra bastante profunda, remexe em muita coisa dentro da gente e faz pensarmos um pouco sobre nossa condição e sobre o modo como levamos a vida.

A música foi regravada em versões muito inusitadas, um exemplo muito interessante é a versão de Sid Vicious (Sex Pistols) que foi mostrada posteriormente no filme “Sid and Nancy” pelo ator Gary Oldman, outra versão, no mínimo diferente, é a da cantora alemã Nina Hagen que canta tanto em inglês quanto em alemão deixando sua marca própria na música. Porém entre todas as gravações existentes, a que mais me agrada ouvir é a de Elvis Presley, talvez até pela idade atual (com dezoito anos a versão de Sid Vicious estava em primeiro no ranking).

Mas o mais interessante sobre a história dessa música é que ela não é do Frank Sinatra e nem do Paul Anka, o autor da canção é francês e se chama Claude François, o título original é comme d’habitude. A letra da versão original em francês nada tem a ver com a versão em inglês, que foi adaptada por Paul Anka, a melodia continuou a mesma, mas a letra mudou completamente (pra muito melhor, eu diria). Então tá legal, vamos ouvir algumas das versões citadas aqui e escolham a que me melhor lhes agradar!

My Way

And now the end is near
And so I face the final curtain
My friend, I’ll say it clear
I’ll state my case of which I’m certain
I’ve lived a life that’s full
I traveled each and every highway
And more, much more than this
I did it my way
Regrets, I’ve had a few
But then again, too few to mention
I did what I had to do
And saw it through without exemption
I’ve planned each charted course
Each careful step along the byway
And more, much more than this
I did it my way
Yes there were times, I’m sure you knew
When I bit off more than I could chew
But through it all when there was doubt
I ate it up and spit it out
I faced it all and I stood tall
And did it my way
I’ve loved, I’ve laughed and cried
I’ve had my fill, my share of losing
And now as tears subside
I find it all so amusing
To think I did all that
And may I say, not in a shy way
Oh no, oh no, not me
I did it my way
For what is a man, what has he got?
If not himself, than he has naugth
To say the things he truly feels
And not the words of one who kneels
The record shows, I took the blows
And did it my way

DEIXE UMA RESPOSTA