Entrevista exclusiva com Alessandro Farias, da banda Code Six, diretamente da Bahia

0
283

Com uma sonoridade que remete anos anos 80, a Code Six está ganhando seu espaço no cenário brasileiro de música post-punk/gótica/darkwave a partir do interior do estado da Bahia. O Palco Local conversou com o vocalista Alessandro Farias para conhecer um pouco mais dessa banda e de seus projetos.

Palco Local – A banda Code Six é apenas você ou conta com a colaboração de outros músicos?

Alessandro Farias – Em estúdio sim só sou eu, ao vivo conto com mais músicos convidados.

Palco Local – Você era integrante da Dead Pop, quando lhe ocorreu a ideia de formar Code Six?

Alessandro Farias – Em 2008 fui com dois amigos ao show da Plastique Noir em Salvados fiquei fascinado pela sonoridade da banda e a performance do guitarrista Márcio Benevides “Mazela”, aquilo ficou na minha cabeça por muito tempo martelando. Eu já tocava com uns amigos mas, tocava de tudo dentro do rock, de Legião Urbana a System of A Down (risos).

Mas daquele show em diante minha percepção musical Já era outra e eu fui me aprofundando nesse mundo do post-punk, darkwave, gótico, foi quando comecei a aprender gravar  e com pouquíssimos recursos, produzir minhas primeiras demos e decidir lançar e para homenagear a banda que mudou minha mente batizei o projeto de DEAD POP que é o nome do primeiro disco da Plastique Noir.

Ficamos ativo por um tempo porem os caras que tocaram comigo foram embora então encerramos o projeto, me afastei um pouco da música e fiquei um tempo parado, agora  em 2017 voltei a produzir e lancei a Among the Machines um projeto voltado a letras em inglês o disco Seduced By Shadows foi lançado pela DeepLand Records do Marcelo Kpta da banda Das Projekt.

Agora em Janeiro de 2018 remexendo umas demos antigas recordei músicas em português que eu nunca tinha gravado, e acho que estamos vivendo um momento delicado aqui em nosso país e as pessoas etão querendo saber do que estamos falando, então comecei a produzi-las isso rendeu um EP ANESTESIA que lancei virtualmente e de forma independente, e batizei o projeto de CODE SIX, a recepção foi maior do que eu esperava, na mesma semana uma música já estava sendo executada em webradios da França, Peru, Itália e aqui no Brasil, já tenho proposta pra lançar o full álbum no Peru inclusive, lancei dois clipes e um terceiro está por vir com produção do nosso amigo Paulo do Palco Local e será lançado pela InClub Records, até o fim de 2018 lançarei o disco oficial.

Palco Local – Em que região você está localizado e como é a cena para a música em geral e especialmente para o seu estilo musical?

Alessandro Farias – Eu estou na cidade de Ibirataia extremo sul da Bahia, aqui como em toda Bahia predomina as músicas regionais, não exite “cena alternativa aqui”.

Palco Local – Há algum significado especial para o nome?

Alessandro Farias – Tudo nessa vida são códigos, vivemos em um mundo de criptografias e segredos.

Palco Local – A CODE SIX se posiciona dentro de cenário gótico/dark, correto? Há algum gênero ou subgênero definido ou algum no qual se encaixa mais predominantemente?

Alessandro Farias – Não curto muito essa coisa de rótulos, parecendo que somos uma lata de margarina, (risos) apenas faço o som que gosto de fazer, e que me faz sentir algo, mas nas redes sociais já nos rotularam como Post Punk/Darkwave/Gothic, e se tratando rótulos é bem isso mesmo.

Palco Local – Quais as suas principais influências?

Alessandro Farias – Cara eu tenho uma grande carga de coisa que me escupiu musicalmente até aqui se for citar não cabe em uma página, mas tem coisas que batem mais profundamente como, Cocteau Twins, Plastique Noir, Systers of Mercy, Asylon Party, Latromodem, Cabine C, The Mission, She Past Way, Lebano Hanover, Kaelan Mikla,Tiamat, Lacrimosa, O.Childrem, Nick Cave, Skeletal Family, Leonard Cohen, Days are Nights, Escarlatina Obssessiva, Kodiak Bachine e Angents e a eterna Joy Division, claro está é ordem nem a lista absoluta mais é por aí.Code Six - Alessandro Farias

Palco Local – Produzem músicas próprias? Como é o processo de criação?

Alessandro Farias – Sim músicas autorais, não tenho um processo de criação definida e acho que ninguém tem uma fórmula, a gente expressa aquilo que permeia nossa alma e nossa vida cotidiana.

Palco Local – Já possuem algum material lançado? (EP, single, vídeo clipe, álbum full, etc)

Alessandro Farias – Como já falei acima, lançamos um EP e o full album está por vir.

Palco Local – Quais são os planos futuros da banda?

Alessandro Farias – Lançamento de um selo próprio, nosso disco, clipe, shows e parcerias.

Palco Local – Como está a agenda de shows? As apresentações são mais locais ou costuma tocar fora da sua cidade?

Alessandro Farias – Bem tá ai uma coisa bem complicada hoje no Brasil em geral “shows” aqui na Bahia praticamente não rola, tocamos muito pouco aqui, e fora de nosso estado já estamos tendo convites e já estamos negociando, porem é muito complicado por que o Brasil é muito grande e os custos são elevados, mas vamos raça e na coragem.

Palco Local – Há algum lugar ou cidade em especial que gostaria de tocar?

Alessandro Farias – Gostaria muito de tocar no WoodGothic em São Tomé Das Letras acho esse evento magnifico.

Palco Local – Como as pessoas podem encontrar e falar com você? (Facebook, Youtube, etc)

Facebook: https://www.facebook.com/CODE-SIX-372649296563890/

youtube: https://www.youtube.com/watch?v=4DORt8Uen7I

E-mail: contatocodesix@gmail.com

DEIXE UMA RESPOSTA